Funcionalidade ChatView Versão 1.x

Da AMADIS

Visualização do Log de Chats

Outro experimento realizado no AMADIS, envolvendo o uso de técnicas de visualização de informações, foi realizado utilizando a ferramenta de chat. Desejava-se criar uma visualização das sessões de chat encerradas, a partir das seguintes características:

  • visualizar todas as contribuições do sujeito sem perder a referência com o contexto da sala de chat;
  • agregar informações sobre o histórico de participações do usuário ao longo do tempo;
  • representar as diversas contribuições do usuário em forma gráfica para facilitar o reconhecimento de padrões;
  • possibilitar o mapeamento visual das conversações paralelas.

Tais parâmetros foram estabelecidos para se tentar, dentre outros objetivos, amenizar os problemas, apontados por GARCIA e JACOBS(1999), de impossibilidade da reconstrução do contexto de um chat apenas pela análise de seus logs. Essas duas autoras, embasadas na análise da conversação, apontam que, no chat, o usuário não tem um controle exato do posicionamento de suas mensagens, na medida em que tal posição é parcialmente controlada pelo próprio software, que organiza a seqüência das mensagens segundo a ordem de chegada e não de produção(emissão). Assim, elas afirmam que no chat a produção e o envio das mensagens são dissociados, ao contrário da conversação verbal. Devido a isso, elas apontam o chat como uma ferramenta quase-síncrona, pois demanda a participação simultânea, embora não garanta o ordenamento das mensagens.

Esse aspecto quase-síncrono do chat cria um efeito colateral chamado responsividade fantasma, que se caracteriza pela não seqüencialidade dos turnos de uma conversação. Esse fenômeno pode ser facilmente observado quando duas pessoas engajadas em um chat possuem várias linhas de conversas simultâneas. Em uma sala com várias pessoas, tal característica usualmente gera confusão e impossibilita a compreensão dos logs.

Como um primeiro experimento, tomou-se como base o trabalho de VIEGAS e DONATH (1999) sobre o desenvolvimento de um cliente de chat gráfico, no qual foi utilizada a técnica de table lens1, para a visualização de logs. Na implementação a seguir descrita, utilizou-se a mesma abordagem agregando-se a manipulação tipográfica das fontes para representar qualidades dos usuários, como descrito por BOYD (2002).

Tela do ChatView exibindo o log de um chat.

A visualização dos logs no AMADIS pode ser realizada utilizando-se a ferramenta ChatView. Como pode ser observado na Figura acima, o chat é exibido como uma tabela na qual cada usuário é representado por uma coluna e o tempo, pelas linhas. As mensagens de cada usuário são exibidas como células de sua respectiva coluna. Assim, observando apenas uma coluna, é possível ver toda a produção de um mesmo sujeito ao longo do chat. As mensagens, entretanto, são exibidas em tamanho reduzido, de forma que uma porção maior do diálogo seja visível simultaneamente. Para conseguir visualizar o conteúdo das mensagens, deve-se movimentar uma barra que funciona como uma lente, realizando um zoom sobre algumas linhas da tabela. Outra característica dessa ferramenta é a fonte utilizada para renderizar as mensagens dos usuários. Tentou-se utilizar as fontes para representar propriedades sociais das interações de um usuário durante todos os seus chats. Como estudo de caso, foram eleitas duas propriedades quantitativas devido à facilidade de implementação, são elas: a quantidade de mensagens enviadas pelo usuário em todos os chats que participou e o tamanho médio de suas mensagens. Na Figura acima, pode-se observar a relação do tamanho da fonte com a quantidade de mensagens enviadas.

Tais propriedades da renderização das fontes tentam “contar” um pouco da história do usuário na interação com o ambiente. Apesar das métricas até então utilizadas serem estritamente quantitativas, deseja-se explorar novas possibilidades em próximas versões. Outro desenvolvimento futuro é traçar linhas entre as mensagens que façam parte de uma mesma conversação, tentando traçar a seqüência ou a rede das trocas de turnos. Para tanto, pretende-se utilizar elementos teóricos da análise da conversação como os pares conversacionais. Considerando que o sistema possivelmente cometerá equívoco, pretende-se permitir que o usuário manipule tais ligações.

Referências Bibliográficas

BOYD, Danah e LEE, Hyun-Yeul e RAMAGE, Daniel e DONATH, Judith S
Developing Legible Visualisations for Online Social Spaces.In: HICSS, 2002, Hawaii. Anais.
COOPER, Muriel, et.al
“Information Landscapes”. MIT Technical Note. 2004.
GARCIA, Angela e Jacobs, J.B
The Eyes of the Beholder: undestanding the turn-taking system in quasi-synchronous Computer-Mediated Communication. In: Research on Language and Social Interaction, 32, nº 4, p. 337-367, 1999.
MARCUSCHI, Luiz Antonio
Analise da Conversação. São Paulo: ATICA, 2003.
LAM, Francis e DONATH, Judith
Seascape and Volcano: Visualizing Online Discussions Using Timeless Motion. In: CHI '05: CHI '05 extended abstracts on Human factors in computing systems, 2005, Portland, USA. Anais. Nova York: ACM Press p. 1585-1588.
RAO, Ramana e CARD, Stuart K
The table lens: merging graphical and symbolic representations in an interactive focus + context visualization for tabular information. In: CHI '94: Proceedings of the SIGCHI conference on Human factors in computing systems, 1994, Boston, USA. Anais. Nova York: ACM Press, p. 318-322.
VIEGAS, Fernanda B e DONATH, Judith S
Chat Circles. In: Proceedings of the SIGCHI conference on Human factors in computing systems, 1999, Pittsburgh, USA. Anais. Nova York: ACM Press. p. 9-16.
Ferramentas pessoais
Parceiros
















SourceForge.net Logo

Supported by Cenqua